INGC ainda não mapeou zonas de risco às calamidades e fala de “falta de fundos”