“Podes ter conforto, mas nunca te deves perder. Manter os pés no chão”

Acumprir estágio no Hospital de Santarém, fazendo neste momento parte da equipa das urgências, Tiago Cardoso lançou-se também agora carreira no mundo da música. O videoclipe do primeiro tema, ‘Tiro ao Lado’, ficou disponível no YouTube no Dia dos Namorados, 14 de fevereiro, esperando agora chegar ao ouvido e ao coração dos portugueses.

Em entrevista ao Notícias ao Minuto, o jovem artista destacou a importância que o lugar onde nasceu tem na sua vida. “Faz muito parte de mim. A tranquilidade, lidar com animais, apanhar fruta diretamente da fonte. Não preciso de muito para ser feliz e agora finalmente começo a ver que se calhar é possível ter aquilo que realmente me faz sentir especial, que é a música. Há dez anos nunca acreditaria que poderia estar aqui hoje”, diz.

Por enquanto, estes dois mundos são conciliáveis, porém, garante, se não conseguir mantê-los “não tem nenhum problema em tomar uma decisão”.

Como é que nasceu o gosto pela música?

Acho que sofreu várias influências. Simplesmente comecei por gostar de ouvir música. Há muitas pessoas que começam a cantar aos cinco ou seis anos, e até fazem programas de televisão, mas não foi o meu caso. Aliás, acho que na altura se calhar nem ia conseguir lidar com tanta pressão. Comecei aos 10 anos, o que também não é tarde, mas foi muito local. Em Cinfães, na escola, e foi num concurso de karaoke no Natal. Inicialmente não sabia para o que é que ia porque era tudo novo, estava no 5.º ano. Deixe-me levar e acabei a cantar para centenas de pessoas. Foi uma experiência muito interessante porque acabei por ganhar e a partir daí as coisas foram evoluindo. O meu pai também sempre soube aproveitar o que eu ia fazendo e comprou-me uma guitarra, pôs-me a ter aulas. A pouco e pouco as coisas foram-se orientando, até que comecei a compor, e desde aí que tenho tido muitas músicas que espero que venham a sair um dia.

Tem alguém na família que também é artista ou é o primeiro?

Fui o primeiro. Mesmo a nível de concelho, nós temos muitos músicos, mas com projeção nacional tivemos um fadista, o António Laranjeira, mas pouco mais. Apesar de ser uma terra de músicos, é difícil da periferia chegar ao centro do país. É mesmo complicado e é uma honra se conseguir.

O que poderia mudar essa realidade?

A indústria musical em Portugal, creio que podia estar mais desenvolvida em alguns aspetos e isso poderia ajudar. No entanto, aquilo que também me apercebo é que as pessoas acabam por arranjar alternativas. Há pessoas que tocam em bandas locais e são extremamente felizes, e no fundo é isso que interessa – e às vezes conseguem ter um retorno muito interessante disso, mesmo não tendo aquela projeção nacional ou internacional. No fim, é isso que importa, as pessoas estarem satisfeitas porque a vida é curta. Não vale a pena a gente frustrar-se e andar eternamente atrás de algo que é realmente muito complicado, conseguir uma projeção maior.

Já tinha alguma ligação com algum artista? Como é que começou esta aventura?

A aventura mais “lisboeta” – porque em Lisboa é que estão concentrados alguns dos grandes estúdios – começou com o C4 Pedro. Foi uma sorte que tive. Ele viu um cover que eu fiz de uma música dele, ‘Tu És a Mulher’, que estava a badalar imenso em todo o lado, ele estava a ter muito sucesso. Lembro-me que nessa altura a música tinha 20 milhões de visualizações. E para músicas cantadas em língua portuguesa é difícil passar um certo patamar. Na altura em que fiz o cover, aquilo que pensei foi que como haviam poucos covers, podia ser que o C4 Pedro – que eu adoro – reparasse em mim de alguma maneira. E isso aconteceu, mas demorou muito porque ele viu e só passados dois anos é que entrou em contacto comigo. A partir daí, fomos trabalhando e, mais tarde, fiquei com a agência que estou atualmente, que é a KlassziK, que é a agência com quem queria trabalhar.

E a paixão pela medicina? Como é que surgiu?

É engraçado porque apesar de ter levado sempre ambas ao lado uma da outra, a medicina e a música, tenho formas muito diferentes de me relacionar com estas duas paixões. Enquanto a música é uma paixão inata, na medicina eu aprendi a gostar. E neste momento, este ano, também estou a aprender a gostar porque só este ano é que comecei a trabalhar mais a sério. Apesar de no meu início ter sido extremamente stressante, comecei a gostar e a sentir que é extremamente útil. Além disso, percebes que é uma honra exercer aquele cargo porque também tenho noção que para eu estar ali houve alguém que era apaixonado por cuidar de pessoas que não pôde ficar com a “minha vaga”. Sinto-me lisonjeado em exercer essa profissão.

Como é que consegue gerir estes dois mundo?

Gosto muito de dormir, mas começo a ter menos tempo [risos]. No entanto, é preciso perceber que, se calhar, daqui a meio ano a conversa seria outra porque estou no início de ambas as profissões. Não sei dizer agora até que ponto é que elas são compatíveis, mas a realidade é que até agora têm sido. E, simplesmente, aquilo que acontece é que aqui na música, na KlassziK, tentamos flexibilizar o meu horário de forma a que ele encaixe no outro. À medida que as coisas vão intensificando do lado musical, vai ser mais complicado na medicina. Por exemplo, hoje [14 de fevereiro] tenho a apresentação do videoclipe, tenho [muitas coisas para fazer] e ontem [13 de fevereiro] estive a fazer banco 12 horas. É cansativo, mas pelo facto de estar no início, não chego a casa assim tão cansado porque sei que no dia seguinte vai haver mais coisas que, no fundo, são sempre boas. E também há algo que é muito gratificante que é sentir que também estou a evoluir na medicina. São dois lados paralelos e tento não misturar as coisas, acho que ajuda.

Mas acha que vais conseguir conciliar ou tem medo de chegar a um ponto em que vai ter de escolher uma das profissões?

Nunca tenho medo porque acredito que o que tiver de ser o destino vai encarregar-se de me ajudar a decidir – não vai decidir por mim porque isso somos sempre nós que decidimos. Eu adoraria conciliar porque consigo tirar coisas boas de cada uma das profissões. Mas caso não seja possível, também não me vou frustrar por isso e não tenho problemas em tomar uma decisão, até porque a vida apesar de ser curta, é longa o suficiente para conseguir fazer várias coisas. Aliás, até estou a pensar um dia – mas isso é hipotético – estudar outra área. Não sei se será possível ao longo da minha caminhada, mas vamos ver.

E qual a razão de lançar a carreira no Dia dos Namorados? Tem algum significado especial?

Na verdade acabou por ser assim. Aceitei esta data e acho que faz sentido. Pelo facto de ser um cantor romântico, acho que faz todo o sentido. Ao longo da minha caminhada enquanto compositor, que já leva bastantes anos, escrevo quase sempre sobre músicas que são românticas e muitas delas são histórias pelas quais passei, nem sempre são. Às vezes são e eu altero para criar outra história que tenha semelhança, mas com algumas alterações para ficar mais comercial.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Você pode gostar...

Deixe seu comentário