Novo interface cérebro-computador transforma “escrita mental” em texto num ecrã

Este novo interface poderá dar a pessoas paralisadas a capacidade de comunicarem por escrito sem terem que usar as mãos e de forma mais rápida do que outros interfaces.

Cientistas nos Estados Unidos inventaram um sensor que pode ser implantado no cérebro e permite pensar em letras e vê-las aparecer escritas num ecrã de computador. Esta tecnologia poderá dar a pessoas paralisadas a capacidade de comunicarem por escrito sem terem que usar as mãos e de forma mais rápida do que outros interfaces, afirmou o investigador Krishna Shenoy, da Universidade de Stanford, um dos autores do estudo publicado esta quarta-feira na revista científica Nature.

Para este estudo, os investigadores decifraram a actividade neuronal que acontece no cérebro quando se tenta escrever letras à mão e implantaram um sensor no cérebro de uma pessoa paralisada com uma lesão na coluna cervical.

Depois usaram um algoritmo para identificar letras quando o voluntário tentava escrevê-las, traduzindo em tempo real a actividade neuronal para letras que apareciam num ecrã. Por se tratar de letras manuscritas, conseguiu-se um ritmo de 90 caracteres por minuto, mais do dobro do que tinha sido conseguido com um interface cérebro-computador em experiências anteriores.

“O sensor descodifica o pensamento associado à escrita e produz a acção”, resumiu o investigador Jose Carmena, investigador na Universidade da Califórnia em Berkely, que considera o estudo na Nature “um grande avanço neste campo”. Já o investigador principal Frank Willett afirmou que “este sistema utiliza quer a fértil actividade neuronal registada pelos eléctrodos intercorticais quer o poder dos modelos de linguagem que, quando aplicados a letras descodificadas, podem criar texto de forma rápida e fiel”.

Deixe seu comentário