Malária matou 174 pessoas no Niassa em 2020

As mortes por malária aumentam na província do Niassa, onde a doença causou 174 óbitos, ano passado, contra 157, em 2019.

O governo do Niassa diz que, nos últimos anos, houve avanços no combate à malária, mas persistam desafios. A província registou, no ano passado, 743.884 pessoas com a doença, contra 696.589, em 2019, o que representa um crescimento de cerca de seis por cento.

De acordo com a governadora do Niassa, Elina Massengele, como consequência do aumento de pacientes com a Malária, as mortes subiram de 174, em 2020, contra 157, em 2019.

Lichinga, Mandimba, Mecanhelas e Mavago são os distritos com mais mortes registadas.

Para a governadora do Niassa, a Malária ainda é um problema de saúde pública, sendo a principal causa da procura de cuidados primários de saúde e de internamento nos serviços pediátricos.

“Por isso, continuaremos firmes na nossa missão de tornar Niassa, numa província com serviços básicos de saúde prestados de forma humanizada, atempada, integrada, de qualidade e que sejam abrangentes, acompanhando as dinâmicas do desenvolvimento Sustentável da Província” assegurou a governante.

Deixe seu comentário