Irão inicia produção de urânio metálico

O diretor da AIEA, Rafael Grossi, disse aos países membros da organização que os inspetores da agência confirmaram a 08 de fevereiro que foi produzida uma pequena quantidade de urânio metálico, 3,6 gramas, numa instalação iraniana em Isfahan (no centro do país).

O urânio metálico também pode ser utilizado no fabrico de uma bomba nuclear e a pesquisa sobre sua produção é especificamente proibida pelo acordo nuclear, o chamado Plano de Ação Conjunto que o Irão assinou em 2015 com Alemanha, França, Reino Unido, China, Rússia e Estados Unidos.

Segundo a AIEA, o Irão já tinha anunciado a medida, indicando que os planos de pesquisa e desenvolvimento na produção de urânio metálico são parte do “objetivo declarado de projetar um tipo melhor de combustível”.

Desde a saída unilateral dos Estados Unidos do acordo, em 2018, os demais membros têm estado a trabalhar para tentar preservar o acordo.

Teerão tem usado as violações do acordo para pressionar os outros signatários a fornecer mais incentivos ao Irão para compensar as sanções norte-americanas reimpostas após a retirada dos Estados Unidos.

O objetivo final do acordo é evitar que o Irão desenvolva uma bomba nuclear, algo que Teerão insiste que não está em causa.

O Irão tem atualmente urânio enriquecido suficiente para fazer uma bomba, mas nada perto da quantidade que tinha antes de o acordo nuclear ser assinado.

Com esta nova violação, complicam-se ainda mais os esforços dos outros países membros para fazer regressar os Estados Unidos ao acordo, algo que o novo Presidente norte-americano, Joe Biden, indicou que estaria aberto.

Em janeiro, quando o Irão anunciou os planos para produzir urânio metálico, os ministérios dos Negócios Estrangeiros da Alemanha, França e Reino Unido emitiram um comunicado conjunto mostrando-se “profundamente preocupados”.

“O Irão não tem um uso civil confiável para o urânio metálico. A produção de urânio metálico tem implicações militares potencialmente graves”, acrescentaram os três países, que instaram também Teerão a interromper a atividade.

Embora o urânio metálico possa, em teoria, ser direcionado para a geração de eletricidade, as experiências com ligas metálicas são proibidas pelo acordo nuclear, porque o urânio metálico é um material fundamental no fabrico de armas nucleares.

O processo envolve a conversão de gás de urânio altamente enriquecido em metal que fornece o revestimento, ou cobertura externa, para as barras de combustível que acionam uma reação nuclear.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Você pode gostar...

Deixe seu comentário