Cabo Delgado: ACNUR não consegue chegar a várias zonas

Os ataques de 24 de março levaram à fuga de, pelo menos, 30 mil pessoas da vila de Palma. O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) está preocupado com a crise humanitária e pede mais fundos.

Em entrevista à DW, a oficial de Relações Exteriores do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) diz que faltam meios para ajudar os cerca de 700 mil deslocados da violência na província moçambicana de Cabo Delgado. Neste momento, conseguir abrigos em condições para todos os deslocados é uma “necessidade fundamental”, sublinha Juliana Ghazi.

A situação torna-se ainda mais complicada porque, segundo a responsável, há vários locais a que as organizações humanitárias não conseguem ter acesso.

DW África: Qual o trabalho que o ACNUR está a desenvolver no terreno?

Juliana Ghazi (JG): Temos atendido os deslocados internos que foram forçados a se deslocarem na província de Cabo Delgado, mas também estão indo para as províncias de Nampula, da Zambézia ou do Niassa. Os ataques de 24 de março provocaram mais de 30 mil deslocados internos, é o último número oficial, e a situação em Palma ainda está muito complicada. Há muitas pessoas a tentar sair de lá. O ACNUR não tem presença fixa em Palma – nem nenhuma organização humanitária tem de momento por uma questão de segurança – mas estamos a tentar negociar um acesso para chegar lá e atender às necessidades principais dessas pessoas. Enquanto isso, fornecemos assistência aos deslocados internos que chegaram aqui a Pemba, principalmente. Quase 50% são crianças, 31% são mulheres, então, são grupos muito vulneráveis.

DW África: O ACNUR dispõe de todos os meios necessários para acudir os mais necessitados?

JG: Falta financiamento tanto para o ACNUR como para outras agências humanitárias. Dos nossos requerimentos [conseguimos] ter apenas 20% de financiamento. Então, é preciso mais engajamento e mais verbas para que possamos dar resposta a cada vez mais pessoas deslocadas.

Deixe seu comentário