Base militar da Renamo encerrada em Inhambane

 Base militar da Renamo encerrada em Inhambane

Todos os combatentes da base militar da Renamo, localizada no distrito de Mabote, província de Inhambane, já passaram pelo processo de desmobilização e regressam às suas comunidades, anunciou hoje Mirko Manzoni, enviado pessoal do secretário-geral das Nações Unidas para Moçambique e presidente do Grupo de Contacto para assunto do Desarmamento, Desmobilização e Reintegração (DDR).

A base encerrada é a primeira fora da província de Sofala, de acordo com uma nota enviada ao “O País”.

“Agora que nos aproximamos do final do ano, aproveitamos a oportunidade para reflectir sobre os últimos meses e expressamos a nossa profunda admiração pelas partes e pelas equipas no terreno, que trabalharam incansavelmente para assegurar que o processo do DDR se mantenha em marcha, apesar das condições desafiantes”, diz Mirko Manzoni.

No mesmo documento, a fonte refere que o anúncio do surto da COVID-19 em Moçambique, em Março deste ano, podia perturbar os esforços do país em prol de uma paz duradoura. “Contudo, graças ao compromisso continuado dos líderes de ambas as partes, o progresso na implementação do Acordo de Maputo tem sido louvável”.

“Com o encerramento de hoje, conta-se já um total de seis bases encerradas em 2020. Aguardando com expectativa o ano de 2021, o trabalho que temos pela frente é imenso, e os nossos pensamentos vão para os cerca de 3.700 combatentes que aguardam pacientemente pela sua oportunidade de passar pelo processo de DDR e regressar a casa”, acrescenta Mirko Manzoni na nota a que “O País” teve acesso.

Mirko Manzoni termina dizendo que o Grupo de Contacto continua a “trabalhar diligentemente” com as partes, as comunidades locais e os parceiros para apoiar homens e mulheres que passaram à vida civil na sua “contribuição para um futuro de paz e prosperidade em Moçambique”.

  •  
    192
    Shares
  • 192
  •  
  •  
  •  

Novidades

Deixe seu comentário

error: O conteúdo está protegido !!