Ataque na Nigéria deixa mais de 100 civis mortos

Mais de 100 civis foram mortos no sábado num ataque nos campos de arroz de Koshobe, na região nordeste da Nigéria, por elementos suspeitos de pertencer ao grupo ‘jihadista’ Boko Haram, numa aldeia na região nigeriana de Borno, de acordo com um balanço divulgado hoje pelas Nações Unidas (ONU), escreve a agência de notícias francesa France-Presse.

“Em 28 de novembro, ao início da tarde, homens armados chegaram em motos e fizeram um ataque brutal contra homens e mulheres que trabalhavam nos campos em Koshobe”, disse o coordenador humanitário da ONU na Nigéria, Edward Kallon, em comunicado citado pelo Notícias ao Minuto.

Segundo a fonte “este é o ataque directo mais brutal contra civis inocentes neste ano. Pelo menos 110 civis foram mortos friamente e muitos outros feridos neste ataque”. “Peço que os perpetradores deste acto hediondo e sem sentido sejam levados à Justiça”, acrescentou Edward Kallon.

O comunicado da ONU, segundo AFP, não menciona o grupo jihadista Boko Haram, que executa atentados violentos nesta região da Nigéria há mais de uma década e controla uma parte do território, mas a presença no território do Boko Haram sustenta a suspeita.

No sábado, agentes de uma milícia de autodefesa pró-governo informaram à AFP um primeiro balanço de 43 trabalhadores agrícolas mortos.

O ataque ocorreu num arrozal localizado a menos de 10 quilómetros de Maiduguri, capital do estado de Borno, foco da insurgência islâmica, tendo as primeiras informações apontado para 43 agricultores mortos.

“É, sem dúvida, obra do Boko Haram, que atua na região e ataca com frequência os agricultores”, disse no sábado Babakura Kolo, líder da milícia.
Hoje, o governador do estado de Borno anunciou que o número de agricultores que tinham morrido neste ataque aumentou para 70.

“O número de mortes ontem [sábado] era de 43, mas já fui informado, quando cheguei, de que já são 70 mortos”, adiantou o governador de Borno, Babaganan Umara Zulum, citado pela agência AFP.

O governador fez a atualização dos números na aldeia de Zabarmari, perto do local do ataque, após assistir às cerimónias fúnebres.

Este foi um dos ataques mais mortíferos registados nesta região e ocorreu em dia de eleições para os representantes regionais e conselheiros dos 27 círculos eleitorais do estado de Borno.

  •  
    10
    Shares
  • 10
  •  
  •  
  •  

Você pode gostar...

Deixe seu comentário

error: O conteúdo está protegido !!